domingo, 11 de dezembro de 2011

OS FILMES DA DISNEY, NO TRAÇO DOS BRASILEIROS


Página de abertura das hqs de "O Corcunda de Notre Dame" publicadas em 1997. Editora Abril Jovem

Muito se falou sobre o Estúdio Disney que a Editora Abril Jovem mantinha em sua sede em São Paulo e que começou a se moldar ainda na década de 1960, sob a batuta de Waldir Igayara de Souza, Jorge Kato e Claudio de Souza, e que encerrou suas atividades no início da década de 2000. Foram milhares de páginas de quadrinhos, criadas e produzidas no Brasil e exportadas para o mundo todo, tornando-a na década de 1990, a segunda maior produtora de material Disney do mundo.
Porém em 1997, a Abril Jovem conseguiu um fato inédito: obteve autorização para produzir as hqs especiais do novo desenho animado da Disney O Corcunda de Notre Dame, inspirado na obra de Victor Hugo. O convite foi feito a Primaggio Mantovi e Euclides Miyaura, respectivamente diretor e chefe de arte, durante a pré-estreia do filme em Los Angeles, onde foram como representantes da Abril Jovem. A responsabilidade era bem maior. Os trinta e tantos anos de criação de hqs com Donald, Mickey e companhia, deram aos artistas da Abril, prática e liberdade de criação, inclusive com a autorização para criar personagens secundários. Agora, porém a história era outra. Os clássicos que vinham sendo adaptados para o cinema desde "A Pequena Sereia" de 1991, (vieram depois, "A Bela e a Fera", "Aladim", "O Rei Leão", e "Pocahontas") traziam sempre uma nova galeria de personagens que precisavam ser adaptados para os quadrinhos, porém, não havia referências. Apenas o filme em questão. Tinha que partir do zero e se basear apenas no Style Guide e no filme. Mas a equipe da Disney fez bonito. Com uma equipe formada por Gerson Teixeira (hoje nos Estúdios MSP) nos roteiros, e Gustavo Machado, Paulo Borges e José Wilson Magalhães na arte, foram produzidas dez hqs, publicadas nas revistas Disney dos meses de maio e junho de 1997, e depois exportadas para países como Itália, Holanda e Espanha.


Hércules. produção brasileira de 1997. Abril Jovem

No ano seguinte, a Disney lança Hércules, baseado na mitologia grega, e novamente o Brasil é autorizado a criar e produzir as hqs originais. Os roteiros agora são do americano Bob Foster, com a inclusão do desenhista Aluir Amâncio na equipe. Foram 6 hqs publicadas no Almanaque Disney do número 321 a325, entre os anos de 1997 e 1998.


Capa da edição especial MULAN NOVAS AVENTURAS. Abril Jovem

A próxima produção da Disney foi Mulan, lançada em junho de 1998. Mulan mostrava uma corajosa jovem chinesa que se passava por um guerreiro no lugar de seu pai debilitado e ajudava o exército imperial chinês a expulsar os invasores hunos. A Abril novamente trabalha com os roteiros de Bob Foster, com os mesmos desenhistas e agora com a arte final de João Anselmo, e produz um total de 8 hqs, que foram publicadas de várias maneiras. Uma delas, foi através de um acordo com a rede McDonald´s, em que a Abril produziu uma série de quatro mini-revistinhas com 82 páginas. Lançadas em julho de 1998, as revistas traziam a história do filme, atividades e passatempos e uma hq da personagem, e eram distribuídas como brinde a quem comprava o McLanche Feliz. Viraram febre entre a garotada, ganharam comercial de tv e hoje são objeto de colecionador, já que é difícil encontrá-las por aí, nos sebos. Em outubro do mesmo ano, a Abril decide fazer uma edição especial com a personagem e lança nas bancas, Mulan Novas aventuras, republicando as mesmas hqs da promoção do McDonald´s. Apesar de ainda terem mais 4 histórias inéditas, que dariam mais uma edição, a editora resolve publicá-las no Almanaque Disney a partir do número 325. Eu, que havia pleiteado uma vaga de colorista em 1996, nas hqs do Corcunda, só consegui uma oportunidade aqui, em 1998. Colori 2 hqs da Mulan, A dança do cavalo e Boa ideia, que tanto foram publicadas na série do McDonald´s, quanto na revista especial de banca. As histórias também foram publicadas na extinta Disney Adventures, publicação americana, com sede em Nova York, que nas suas 104 páginas trazia matérias sobre os lançamentos da Disney no cinema e na tv, além de hqs desses personagens.


HQ publicada em MULAN NOVAS AVENTURAS. Desenhos de Gustavo Machado, arte final de Antonio Lima, cores minhas no Photoshop. Abril Jovem


Antes dos brasileiros, os americanos já permitiam dar crédito aos artistas Disney.
Página de DISNEY ADVENTURES, novembro de 1998. 


Primeira página do gibizinho MULAN, distribuído no McDonald´s, com a adaptação da mesma história acima.

Série de mini-revistas Disney, distribuídas no McDonalds, junto ao McLanche Feliz.

Em 1999, chega a vez de Tarzan, adaptação do clássico de Edgar Rice Burroughs, transformando-se em uma das melhores animações da Disney. A produção brasileira mais uma vez se faz presente, em Superalmanaque Disney, uma publicação especial no formato Veja, que a cada edição apresentava hqs e passatempos de determinada família de personagens. A edição de número 20, trazia Mistério na Selva, (hq de 20 páginas divididas em 5 partes), Saindo de casa, Que vença o melhor e A rainha da selva, essas com 8 páginas cada. Uma curiosidade: A rainha da selva, foi colorizada duas vezes. A primeira, por mim, cujo trabalho foi realizado nos computadores da Abril, já na sede da Marginal Pinheiros. Como de praxe, as hqs finalizadas eram todas enviadas aos estúdios Disney em Burbank, na Califórnia, para aprovação. As cores de A rainha da selva foram reprovadas. Fiquei extremamente desapontado, pois havia participado de Mistério na selva, junto com outros artistas e já havia colorizado Mulan. Porém, sabia do nível de exigência da Disney. Um segundo colorista foi designado para refazer o trabalho, que finalmente foi aprovado. O McDonald´s saiu novamente com uma série de 3 revistinhas contendo hqs produzidas no Brasil. Essa produção ainda não foi catalogada no INDUCKS, a base de dados mundial Disney, por isso se desconhece o nome de todos artistas envolvidos. Sabe-se porém que Marcelo Campos, um dos fundadores da Fábrica de Quadrinhos e diretor da Quanta Estúdio, fizera algumas histórias.
A partir do ano seguinte, com a redução drástica da produção brasileira de hqs, encerra-se também esse grande trabalho de adaptação dos filmes da Disney. Quem sabe agora, com os rumores de que a Abril pretende retomar a produção nacional de hqs do Zé Carioca, voltemos a ver nossos artistas produzindo Disney por aqui e exportando para o mundo todo, e não o contrário, como vemos agora. Artistas como Euclides Miyaura, que lá em 1996, começou tudo isso, hoje desenha para a Dinamarca e a Abril compra suas histórias para depois publicá-las aqui. Coisas de Brasil.

Página colorizada por mim para a hq MISTÉRIO NA SELVA, baseada no filme TARZAN. Abril Jovem.

4 comentários:

  1. Alexandre, no Tarzan, se não me engano, foram 4 histórias. Eu participei das 4 e me lembro que o Toninho Lima me ajudou numa das histórias.

    ResponderExcluir
  2. Corrigindo Alexandre: eu fiz as 8 edições do Corcunda de Notre Dame, as 6 do Hércules e 4 do Tarzan (onde teve uma história feita pela Fábrica de Quadrinhos, com o desenhista Luciano Lima, sob responsabilidade do Marcelo Campos), não participei da Lenda de Mulan, uma pena. Tenho algumas cópias dessas artes que vou postar no meu blog em breve. Abração.

    ResponderExcluir
  3. Coincidência o fundo do blog (risos), quando lancei o PLANETA GIBI em 2006 e fundo era idêntico!!

    Parabens pelo post. Me faltam 2 desses MULAN.

    ResponderExcluir